Ator global afirma ouvir espíritos


Carlos Vereza abriu a porta de seu apartamento no Rio para o site EGO e seu cãozinho de estimação da raça Shih Tzu, Benjamin, foi receber a gente de forma muito animada. "Ele é assim, adora uma festa! Me divirto muito com ele", disse o ator, com sua voz marcante e característica.

É assim, de forma leve, que Vereza tem levado a vida. E esse foi o tom da entrevista de pouco mais de uma hora. No ar na novela das seis da Globo, "Além do Tempo", ele falou sobre temas como espiritismo, vida extraterrestre e política, mas tudo com naturalidade.

Aos 76 anos de idade e 57 de carreira, o ator diz exatamente o que pensa e não teme o que vão pensar dele. "Não me preocupo nem um pouco com isso", garante. Confira o que ele tem a dizer:

Esse grande sucesso de 'Além do Tempo' te surpreendeu?

Carlos Vereza: No inconsciente coletivo, existe uma demanda por temas esperançosos. Ainda que seja por 40 minutos, há que se ter algo diferente da violência ética, moral, política e econômica existente no Brasil. A (autora) Elizabeth (Jhin) faz isso de forma natural e por isso não fiquei surpreso.

O que achou da passagem de tempo na história? Foi um grande risco.


A autora fez uma revolução nas novelas, essa é a parte que mais me emociona ao falar desse trabalho. Ela deixou uma zona confortável, numa história de época com grande audiência, e, em um capítulo, saiu do século 19 para 2015.

A novela tem uma temática espiritualista, doutrina que o senhor segue. O plano espiritual ajudou de alguma forma na audiência?

Sim e digo isso sem dúvida, no alto dos meus 76 anos. Acredito na intuição. Uma pessoa talentosa como a Elizabeth está sendo assessorada pelo plano espiritual de luz, tenho certeza disso.

Quando passou a seguir a doutrina espírita?

Há 27 anos, fiz um programa chamado 'Delegacia de Mulheres'. A cena final tinha tiros e colocaram muita pólvora no meu ombro esquerdo. Nisso, explodiu meu ouvido interno esquerdo. Visitei clínicas por três anos e nada adiantava. Foi aí que uma tia me recomendou a ir ao Lar (espírita) Frei Luiz. Eu não conhecia e ela me disse que um primo havia sido curado lá de uma leucemia.

E aí?

Fui todo quebrado, de cadeira de rodas, e, em sete meses, pude perceber através das operações espirituais que estava melhorando. A audição voltou, mas ficou um zumbido que não tem cura. Me ensinaram a controlá-lo espiritualmente.

Como são essas operações espirituais?


O espírito do doutor Frederick (von Stein, um médico alemão) se materializa com o ectoplasma do médium que fica deitado na cabine. Essa é uma substância que só os encarnados têm. O espírito aparece com a máscara de médico e fica ali por duas horas. Quem está no local vê isso e outros fenômenos, como espíritos de franciscanos e a mão do Frei Luiz levitando com um lírio.

Como reagiu ao presenciar isso pela primeira vez?

Não sabia que não podia tocar no espírito materializado e estava tão emocionado que peguei a mão dele. E não era uma mão que vazava como nos filmes de fantasma. Era uma mão como a de qualquer pessoa. Ele me deixou beijá-la, mas ele não falou nada. Na semana seguinte, perguntei se ele havia ficado zangado comigo por ter tomado bênção.

E o que ele respondeu?

Ele disse que não, que havia deixado para eu me certificar da existência do espírito. Depois me explicou que, em geral, não é aconselhável fazer isso porque dá um choque no médium que está na cabine. Esse médium realmente possuía várias pequenas queimaduras provocadas por esses choques. Se eu for falar do que os espíritos são capazes, dá para fazer um longa-metragem...

Conte alguns exemplos.

Chico Xavier era um médium que podia ficar em dois lugares ao mesmo tempo. Ele tinha todas as mediunidades, inclusive, a bicorporeidade. Santo Antônio também tinha. Ele estava vivo na Itália e o irmão ia ser executado em outro país. Ele ficou onde estava, se desdobrou e foi com o espírito materializado provar a inocência do irmão.

Como fica o corpo quando o espírito sai para se materializar em outro lugar?

Fica sonolento. Além do corpo físico, temos o corpo astral que tem a capacidade de se materializar em qualquer lugar. A física quântica prova isso. Você pega duas partículas subatômicas separadas. Mexe em uma, a outra reage. Mas esse dom da materialização é raro, depende do médium.

O senhor tem algum dom?


Só intuição e ela se aplica de uma forma muito didática e prática. Quando não sigo, quebro a cara.

Já viu espíritos?

Só escuto. No meu quarto, de vez em quando, eles batem na minha porta. Aí eu digo vá com Deus e volto a dormir. Tenho que gravar cedo no dia seguinte. Vou abrir a porta e ficar batendo papo? Pode demorar muito (risos).

Não fica com medo? Não existem só espíritos bons.

Há 27 anos, eu sairia correndo. Hoje em dia não mais. E quem bate em porta é espírito brincalhão. Não é mau e nem bom, mas gosta de se divertir, dando susto.

O senhor também acredita em vidas extraterrestres. Tem alguma ligação com a crença no espiritismo?

Tem sim. Jesus disse que a casa de seu pai tem muitas moradas e existe um espírito chamado Ramatis que há 40 anos já dizia que havia vida em Marte. Como espírito, ele foi lá. É muita pretensão achar que só há vida na Terra. Eu, por exemplo, já vi discos voadores e filmei (assista ao vídeo ao lado). Eram dois discos em cima da Pedra da Gávea (no Rio).

Foi a primeira vez que o senhor viu?

Não. A primeira vez foi em 1997 e eram muitos. Estava na varanda de um prédio na Barra da Tijuca e passaram vários discos em direção ao mar. Depois disso fiquei muito tempo sem ver até esse dia da Pedra da Gávea. A diretora do Observatório Nacional não desmentiu, só disse não saber o que eram aqueles objetos.

Eles já tentaram se comunicar contigo?

Uma vez de manhã o computador ligou sozinho. De repente, ele começou a falar em português. Depois em espanhol, inglês e alemão. Mudava de língua numa velocidade muito rápida. Cada país que eles passavam era de uma língua e iam mudando.

Por que eles não aparecem oficialmente?

Algumas pessoas tiveram contato. Mas, com alguns, eles chegam perto e dão tiros. Como eles vão reagir? Se eles possuem um disco que os possibilita vir até aqui, imagine a arma que eles possuem. Tenho relatos de ufólogos que dizem que extraterrestres estão desativando plataformas de foguetes atômicos na Terra, senão o planeta já tinha dançado. Mas vai chegar o momento que vamos ter o contato com eles.

Não há apenas ETs bons, né? Os filmes de Hollywood mostram os malvados, escravizando a Terra. Não teme isso?

Assim como os irmãos do bem podem chegar aqui, esses também podem. São esses que decepam bois e abduzem pessoas. Os do bem não fazem isso. Mas não acredito em escravização da raça humana.

O sumiço dos ETs por aqui teria alguma ligação com a crise que o país enfrenta?

Acho que sim, mas eles respeitam o livre arbítrio. Essa é uma lei sagrada em todo o universo. Eles não podem interferir no nosso livre arbítrio, prender os ladrões.

O senhor integrou o Partido Comunista por anos. Como avalia a atual situação do Brasil?


Quando fui do Partido Comunista, ele tinha um ideal, as pessoas morriam e eram sequestradas por causa dele. Eu mesmo fui sequestrado duas vezes. Não é o partido de hoje em dia, que quer uma mansão à beira do lago Paranoá (em Brasília).

Em sua carreira está um dos personagens políticos mais emblemáticos das novelas, o senador Caxias, de 'O Rei do Gado'...

(Interrompe) Ele continua atual, né? Agora com a questão do impeachment, mais do que nunca! Era um personagem muito bem feito, não era panfletário. Triste o país que precisa de heróis e não tem uma classe política que o represente. Um senador Caxias, do jeito que era radical com suas posturas éticas e políticas, hoje em dia provavelmente seria assassinado.


 Livros espíritas